Japão esclarece que os dois vacinados que morreram não receberam o lote contaminado da Moderna

O ministro da Saúde do Japão, Tamura Norihisa, esclareceu neste domingo que os dois falecidos após receberem a vacina da Moderna não receberam a dose do lote que as autoridades eliminaram por contaminação, mas de outro suspenso por precaução.

Como ele comentou ao canal público NHK, as vacinas que foram usadas para as duas pessoas não pertenciam ao lote onde foram encontradas as supostas “substâncias metálicas” que contaminaram o medicamento.

O Governo decidiu suspender a administração dos lotes da Moderna após a descoberta de substâncias estranhas no lote 3004667, produzidos nos centros farmacêuticos Rovi, em Espanha.

No entanto, também decidiu interromper o uso desses frascos com os números de lote 3004734 e 3004956, embora nenhuma substância estranha tenha sido encontrada neles. Estas últimas foram feitas na mesma linha de produção da empresa espanhola, encarregada de envasar e embalar a vacina Moderna para clientes fora dos Estados Unidos, no mesmo período.

O ministro reconheceu que ainda não se sabe se há relação causal entre as mortes e a vacina, mas prometeu uma investigação rápida para esclarecer as causas das mortes.

Na quinta-feira, 26 de agosto, as autoridades de saúde japonesas suspenderam o uso de 1,63 milhão de vacinas da empresa farmacêutica norte-americana Moderna após detectar substâncias estranhas em alguns dos frascos.

Os dois homens falecidos, um de 30 anos e outro de 38 anos, foram vacinados antes dessa decisão. Especificamente, um foi inoculado em 15 de agosto e o outro em 22 de agosto. Em ambos os casos, a morte ocorreu no terceiro dia de vacinação.

Os frascos com impurezas foram fabricados na Espanha na fábrica da empresa Rovi, segundo a japonesa Takeda Pharmaceutical, responsável pela distribuição no país asiático.


Rovi assina seu pior dia na bolsa: cai 13,4% por conta de possível contaminação na vacina da Moderna

comentáriosmenu de ícones4WhatsappWhatsappTwitterTwitterLinkedinlinkedin